Como você resumiria o ano de 2017?  Em busca dessa resposta, a consultoria CAUSE, em parceria com o Instituto Ideia Big Data, ouviram a opinião de mais de 9 mil pessoas de todo o país.

O resultado reflete um ano marcado por denúncias e investigações: corrupção, crise, tenso, mudança e vergonha são as cinco finalistas. A partir de agora, as 5 palavras passarão por um novo processo de escolha popular que elegerá a #PalavraDoAno2017.

“Apesar de vivermos tempos polarizados, o balanço da pesquisa até agora mostra um viés pessimista da sociedade”, destaca Leandro Machado, sócio da CAUSE, idealizadora do projeto.  “A avaliação vai ao encontro do que aferimos em 2016, quando a palavra escolhida foi indignação”, completa.

Na primeira fase da pesquisa, mais de 1 000 palavras diferentes foram citadas espontaneamente. A ferramenta usada no levantamento foi o aplicativo PiniOn, do Ideia Big Data, que tem mais de 680 00 respondentes em sua base de dados.

A partir da análise das 40 palavras mais citadas, os especialistas elegeram as 5 finalistas que seguem para uma nova rodada de voto popular. “A Palavra do Ano reflete, de maneira sintética, o sentimento da população atualmente, e por isso é um referencial importante para entender o espírito da época”, explica Rodolfo Guttilla, sócio da CAUSE.

Para o escritor e cientista político Jorge Caldeira, as 5 palavras finalistas revelam um viés crítico da sociedade atual. “Independentemente da palavra escolhida, estamos diante de uma situação que o brasileiro quer superar”, analisa Caldeira.

Para Ricardo Arnt, “participar desta escolha das palavras finalistas é um grande privilégio, pois antecipamos um balanço do ano e avaliamos o sentimento do brasileiro com relação aos acontecimentos do país ao longo de 2017”.

A Palavra do Ano é uma tradição ocidental desde a década de 1970, quando a Society of German Language passou a selecionar o vocábulo que melhor resume o espírito da época.  Desde então, a ideia se espalhou pelo mundo, com processos de seleção distintos entre si.  Nos Estados Unidos e Inglaterra, por exemplo, o dicionário Oxford é uma das instituições que escolhe a palavra do ano.

Serviço:

Próxima etapa: Pesquisa de opinião (fechada) para seleção da palavra do ano

Resultado: palavra do ano

Data: Dia 9 de novembro

Jurados:

Jorge Caldeira: Doutor em ciência política e mestre em sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). Foi editor da “Ilustrada” e da “Revista da Folha”, editor de economia da revista IstoÉ e editor-executivo da revista Exame. É autor de, entre outros livros, de: Mauá: empresário do Império, O banqueiro do sertão e Júlio Mesquita e seu tempo.

Ricardo Arnt: Jornalista e escritor. Foi colunista da revista Isto É, editor da Exame, da Superinteressante, da Folha de S. Paulo, do Jornal do Brasil, do Jornal Nacional (TV Globo) e diretor da TV Bandeirantes e da Planeta. Foi Gerente de Comunicação da Presidência da Natura e fundador do Instituto Socioambiental. Recebeu um Prêmio Esso de Jornalismo, o Maria Moors Cabot Award e o Prêmio CitiBank para Jornalismo Econômico. É autor de 10 livros, entre os quais O Que os Economistas Pensam sobre Sustentabilidade (Trinta e Quatro, 2010); Jânio Quadros: O Prometeu de Vila Maria (Ediouro, 2004) e O que é Política Nuclear (Brasiliense, 1983).

Leandro Machado: Bacharel em Ciência Política pela Universidade de Brasília, com cursos de especialização em Comunicação Internacional pela Syracuse University/ABERJE e em gerenciamento político pela George Washington University, atuou por mais de quinze anos em grandes empresas, nas áreas de relações governamentais, lobby, advocacy, gerenciamento de crises e comunicação corporativa. Começou sua carreira na Shell Brasil, no escritório de Brasília e, posteriormente, no gerenciamento da crise de Paulínia-SP. Na IBM Brasil, contribuiu para a implementação de estratégias de advocacy e lobby para a companhia norte-americana, em Brasília. Em 2003, foi contratado pela Natura para, junto com Rodolfo Guttilla, estruturar a área de Relações Governamentais da empresa líder brasileira no setor de cosméticos e venda direta. Além disso, também foi Secretário de Governança e liderou as áreas de imprensa, relações institucionais, comunicação institucional, memória empresarial, comunicação da presidência e o projeto de comemoração dos 40 anos da Natura. Entre 2009 e 2011, foi Relações Públicas de Guilherme Leal, um dos fundadores da empresa e candidato a Vice-Presidente da República nas eleições de 2010, ao lado de Marina Silva. Leandro Machado é um dos fundadores da Union For Ethical Biotrade, sediada em Genebra, e um dos idealizadores, fundadores e membro do conselho diretor da RAPS – Rede de Ação Política pela Sustentabilidade, uma organização da sociedade civil, apartidária, que tem o objetivo de identificar, atrair, treinar e monitorar os melhores talentos da política brasileira. Em 2015, foi eleito pelo World Economic Forum como Jovem Líder Global (Young Global Leader).

 Francine Lemos: Graduada em Administração Pública pela Escola de Administração de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, com pós-graduação em Marketing Estratégico e Branding pela New York University. Ainda no período acadêmico, atuou como monitora no Programa Gestão Pública e Cidadania, iniciativa da FGV, BNDES e Fundação Ford, avaliando inovações em políticas públicas municipais, estaduais e de povos indígenas. Possui experiência de mais de 15 anos em diversas áreas relacionadas ao desenvolvimento de negócios, marca e cultura organizacional. Começou sua carreira no Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social Privado (IDIS), atuando na identificação de causas e a formação de institutos e fundações empresariais. Na Itelogy, consultoria de gestão e estratégia, coordenou projetos de estratégia de negócios. Em 2006, ingressou na Natura, empresa líder brasileira no setor de cosméticos e venda direta, para compor o time de novos negócios internacionais. Em Nova Iorque, foi responsável pela governança das novas operações internacionais da empresa e, em Paris, liderou as áreas de Planejamento Estratégico, Sustentabilidade e Recursos Humanos. De volta ao Brasil, em 2011, participou de projetos de cultura e desenho organizacional. A partir de 2012, se juntou `a diretoria de Comunicação e Marca, sendo responsável pela implementação do Sistema de Gestão da Marca Natura, gerenciando os processos de planejamento, gestão da arquitetura da marca e submarcas, gestão da identidade e capacitações para a marca. Se juntou à CAUSE recentemente como Diretora de projetos, sendo responsável pelo planejamento e coordenação da equipe de projetos.

 

Rodolfo Guttilla: Rodolfo Guttilla atua nos campos da comunicação organizacional e issues advocacy há mais de trinta anos. Nesse período, tem se dedicado a conceber e implementar estratégias de comunicação e relações públicas, e promover causas de interesse público, principalmente em empresas de bens de consumo e agências de consultoria estratégica. Foi Diretor de Assuntos Corporativos e Relações Governamentais da Natura, onde permaneceu por treze anos. Anteriormente, coordenou estratégias de comunicação e relações públicas da Whirlpool Corporation, também na América Latina. Presidiu e participou de Conselhos de associações de classe e Organizações Não Governamentais (ONGs), no Brasil e no exterior. Atualmente, preside o Conselho do Capítulo Nacional da Global Reporting Initiative no Brasil, e participa de conselhos editorias de publicações científicas e de interesse geral, relacionadas aos temas de inovação e sustentabilidade. Comunicador Social com especialização em jornalismo, e Cientista Social, Rodolfo é Mestre em Antropologia, pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUCSP. Especializou-se em Marketing, pela Northwestern University, Kellogg Institute e Fundação Dom Cabral. Poeta e escritor, suas obras foram publicadas pelas editoras “Companhia das Letras”, “Global”, “Massao Ohno”, “Lazuli/Companhia Editora Nacional” e “Landy Editora”, entre outras. Por fim, colabora com cadernos de Cultura e publicações segmentadas, de circulação nacional. Em agosto de 2013, fundou a CAUSE, primeira agência de defesa de interesses públicos do Brasil.

 

Boiler:

Sobre a CAUSE: Fundada em 2013, a CAUSE é uma consultoria que apoia marcas e organizações na identificação e gestão de causas que as conectem com as demandas do nosso tempo. Criamos estratégias de conscientização, engajamento e mobilização de diversos atores da sociedade, por meio de ações integradas de comunicação, relacionamento e advocacy. Entre nossos clientes estão organizações como Libbs Farmacêutica, Suzano Papel e Celulose e Todos Pela Educação.

Sobre o IDEIA Big Data: Fundado em 2011 pelo economista Maurício Moura, o IDEIA Big Data nasceu com a finalidade de prover inteligência competitiva para empresas, órgãos públicos, associações e campanhas políticas no Brasil e no exterior. É uma empresa que utiliza expertise em pesquisas (escuta) aliada ao uso de Big Data (armazena) para estratificar da forma mais detalhada possível informações individuais e apoiar de forma eficiente a comunicação direta (impacta). Seu objetivo é ajudar clientes a solucionar problemas, tomar decisões estratégicas e se comunicar com os seus públicos de interesse de forma mais assertiva e segura. Para isso, a empresa alia um big data robusto, ampla expertise internacional e uma equipe inovadora e multidisciplinar.